Tudo e Nada

Depois do fim

Faço listas por tudo. Faço listas para tudo. Mas isto não dá para pôr numa lista, entendes? Não consigo escrever na lista “mentalizar-me que aconteceu” logo ali por baixo de «responder aos e-mails». Às vezes ainda o oiço. Quando a minha avó morreu demorei dois anos a apagar o número dela do telefone. Não sei porquê, mas deixei o numero dela ali, “Vó”. Olhava para ele quando precisava, sem precisar, pois sempre o soube de cor.

Não posso pôr na agenda, não dá para estudar isto. Os dias nascem, a vida continua. Nós até ousamos ser felizes. Sorrimos. Gozamos a vida. Às vezes fazemos de conta que estamos a lidar bem com tudo, falamos dele, agimos em conformidade. Mas há coisas que não entram na rotina. Os clichés encaixam: as saudades matam, penso em si todos os dias, quem me dera que visse isto.

 

 

«Depois do fim

Os meus mortos visitam-me regularmente.

Demorei a dar por eles. Não tenho religião que me valhe ou guie, e acreditava que os mortos morrem no momento em que morrem, espera-os uma nuvem, uma labareda, ou só a terra onde se deitam a dormir para nunca mais.

Demorei a exigir que não podia ser só isto. Sou ao contrário: era mais conformado em jovem.

(…)

O corpo? O corpo chega aos outros sempre antes de nós, é portanto natural que parta antes de nós.

Por isso o meu velho está aqui comigo. Enquanto escrevo, verifica a sua colecção de selos, pega num, com a pinça, espreita com a lupa pequena, cataloga, está tranquilo. Claro que não posso dizer que o vejo claramente. Está numa penumbra e todo ele é linhas difusas.

Eles têm a idade que quiserem.

Nunca digo a ninguém que estão aqui comigo. Mas estão. Acredito. Eu, homem, sem nenhuma outra fé, acredito.

Devo-lhes isso.»

O Pianista de Hotel, Rodrigo Guedes de Carvalho

2 Comments

  • manela

    Sempre disse que não há dias iguais. Hoje o Gonçalo ajudou a passar o dia de forma diferente. Mas o percurso que fiz a empurrar o carrinho foi o mesmo que fiz algumas vezes a acompanhar os passos que eram contabilizados nas caminhadas. Os kms percorridos, os valores da glicémia, os resultados dos jogos de futebol, o peso do Gonçalo…e tantos outros registos que não apaguei do computador.

    Reply
    • Ana Sousa Amorim

      O Gonçalo e os gémeos ajudam todos a fazer este caminho, neste dia e em todos os outros ❤️❤️❤️

      Reply

Leave a Reply