Frases feitas/Clichés/Coisas que muitas pessoas dizem que me deixam com tremeliques nervosos

Ai eu não me lembro do tempo antes de ser mãe

Há umas semanas inaugurei uma rubrica no blogue e disse que ia sair todas as segundas, mas desde então quase todos os dias foram segundas-feiras, daquelas chuvosas e frias, pelo que me baralhei e só hoje posso retomar o «Frases feitas / Clichés / Coisas que muitas pessoas dizem que me deixam com tremeliques nervosos».

Conforme algumas pessoas me sugeriram, a escolhida de hoje é: «ai eu não me lembro do tempo antes de ser mãe».

Já partilhei que não sou moça de saudosismos, isto é, quando me perguntam que fase da vida repetia eu respondo nenhuma porque gosto do aqui e agora (e do amanhã e depois). Porém, isso não significa que não tenha tido uma existência perfeitamente competente e muito feliz antes de ser mãe, de que me lembro muito bem e da qual tenho muitas saudades. É que calhando, o tempo antes de ser mãe representa mais de 5/6 da minha vida e, embora eu não seja pessoa de achar que temos memórias de quando éramos bebés, lembro-me razoavelmente de grande parte desses anos. E não sofri amnésia com o parto.

Ponto 1: é sonsice. Então não te lembras de não ser mãe? Não te lembras de sair do carro e bater a porta e passado exactamente 6 segundos estares a entrar no shopping sem teres de ameaçar um ser do teu sangue de castigos vários para o retirar da cadeira do carro calado, quieto e sem espernear? Eu lembro-me. Lembras-te de ter apaixonado pelo teu marido, namorado, parceiro, o quer que seja que vocês são e fazer coisas com ele, nomeadamente (mãe e pai não leiam esta) sexo com barulho (eu avisei), ou não? Eu lembro-me.

Ponto 2: é ofensivo para toda a gente da tua vida. Os teus pais, irmãos, amigos, marido, etc. existiam antes de seres mãe e ajudaram a construir a tua vida, dizeres que não te lembras da vida antes é ignorar a sua importância.

Ponto 3: é possível amarmos os nossos filhos sem termos necessidade de eliminar a nossa existência toda para lá deles. Não é uma demonstração de amor dizer que não nos lembramos e não temos saudades do antes, eu pelo menos não o entendo como tal. Isto parece aquelas mulheres que não estão satisfeitas com o facto de serem a última mulher do marido, mas têm também de saber quantas houve antes e eclipsar todas as memórias e lembranças das ditas.

Eu não sou tão mau-feitio que não consiga ver que às vezes o que as pessoas querem dizer é «isto é a melhor coisa da vida e já não imagino a minha vida sem ser mãe» o que de facto é perceptível, mas o tom «ai não me lembro, isto preenche-me mais que tudo, não há nada para lá disto» deixa-me com espasmos. Eu cá imagino muita coisa bem mais simples sem ter três filhos. Eu não quero, eu não desejo, mas imaginoooooo. Porra, se imagino. Só o dinheiro que podia gastar em, sei lá, viagens, imagino-o tanto a voar dos bolsos de pediatras, farmacêuticas, creches, lojas de roupa para putos directamente para aquela agência de viagens que tem umas fotos da Maldivas ou Maurícias, imagino mesmo. Mas sou genuinamente pela liberdade, e se vocês acreditam nisso força em dizê-lo (quem não acredita, não há necessidade). Agora que me dá tremeliques, dá.

No Comments Found

Leave a Reply